O que achou da prestação de Portugal no Euro 2012?

terça-feira, 26 de junho de 2012

Portugal - Espanha: Antevisão

Em vez da tradicional "Banca de Apostas", o Pé d'Atleta achou por bem dedicar a ambos os jogos das meias-finais do Euro 2012 a atenção que eles merecem, oferecendo a sua perspectiva daquilo que poderão ser os dois encontros.

Assim, é já amanhã que, em Donetsk, Portugal e Espanha entram em campo para disputar a primeira vaga na grande final agendada para o próximo Domingo, em Kiev. E que grande jogo irá certamente acontecer naquela cidade ucraniana! De um lado, a campeoníssima Espanha, dona e senhora de um tremendo potencial individual e colectivo; do outro, a selecção portuguesa, que tem apresentado um futebol de alto quilate, e que conta com o melhor jogador europeu da actualidade.

Os treinadores deverão apresentar sensivelmente os mesmos "onzes" com que têm habituado as respectivas massas adeptas, contudo, as nuances tácticas e, no caso português, a ausência forçada de Postiga (por lesão) devem forçar Paulo Bento e del Bosque a certos reajustamentos. Desde logo, acreditamos que Paulo Bento lançará Nélson Oliveira ou Varela na frente de ataque - a Espanha, em princípio, ditará as leis no que diz respeito à posse de bola, pelo que o treinador português, numa lógica de contra-ataque, deverá optar por um homem mais rápido em detrimento de Hugo Almeida; por seu turno, del Bosque não deverá colocar Torres "em cunha" na frente de ataque - o técnico espanhol já fez menção à qualidade da dupla de centrais portuguesa (que tem estado implacável), o que deve fazer com que aposte numa tentativa de a desposicionar (usando Fàbregas), facilitando desse modo os movimentos verticais de Iniesta e Silva.

Ora, cremos que Portugal é a equipa que mais dificuldades pode criar à Espanha, desde logo porque só os nomes de Nani e Ronaldo deverão ser suficientes para conter as subidas frequentes (e muito importantes no processo de construção espanhol) de Jordi Alba e Arbeloa. Isto deverá fazer com que o jogo de nuestros hermanos se torne mais afunilado e previsível, o que certamente será bom para as nossas cores.

Por outro lado, Portugal deverá ter, à semelhança do que aconteceu no jogo de estreia com a Alemanha, bastantes dificuldades na saída de bola. A pressão dos espanhóis é habitualmente alta e, acima de tudo, intensa, motivo pelo qual não será muito fácil os nossos médios conseguirem libertar Ronaldo e Nani com qualidade.

Sendo certo que a Espanha terá mais bola, será muito importante a acção do nosso meio-campo, especialmente a zona onde recuperarem a bola. Um Portugal demasiado recuado poderá ter sérios problemas com um adversário temível como a Espanha (especialista a aproveitar erros contrários); ao invés, um Portugal personalizado, coeso e clarividente, poderá, a nosso ver, e aproveitando os dois dias de descanso a mais de que dispôs, causar meia surpresa e avançar para a final.

O Pé d'Atleta acredita na qualidade dos nossos jogadores e equipa técnica e, por isso, prevê (mais) um dia de festa em todos os sítios onde houver portugueses!! FORÇA PORTUGAL!

10 comentários:

Anónimo disse...

Estou um pouco em desacordo convosco.
Era melhor jogar Hugo Almeida, porque assim tinhamos mais presença no ataque, segurava certamente os 2 centrais e permitia à equipa estar mais na frente.
Com o Nelson Oliveira, ficará a tendência de vir atrás buscar o jogo e assim podemos correr o risco de aproximar demasiado o ataque do meio campo. Além disso, perdiamos um bom trunfo para, caso seja necessário, apostar em claro no contra ataque.
Colocando o Varela, significaria que o Ronaldo ia para o meio e assim perdiamos o furacão nas alas com as diagonais para o meio. O Varela tem entrado bem, mas penso que de início talvez não fosse tão explosivo como tem sido.

Mas tudo isto são opiniões. Felizmente temos um bom treinador e nem que jogue o Eduardo a avançado o importante é marcar mais um golo do que a Espanha até o árbitro apitar para o fim.

Força Portugal!

26 de junho de 2012 às 16:37
Pé d'Atleta disse...

O problema do Hugo Almeida é que, pese embora ser um "armário", não consegue lutar com os centrais. É um jogador demasiadamente macio, e também não oferece (como nenhum dos outros) grandes garantias em termos de finalização. A opção por Varela (que durante bastante tempo foi ponta-de-lança) seria para o eixo do ataque, e não para a ala. É um jogador bastante agressivo, que poderia conseguir pressionar o Piqué e o Sergio Ramos com qualidade. Mas a ver vamos, o Paulo Bento já mostrou que tem categoria para estar à frente da selecção!

26 de junho de 2012 às 16:42
Peacetime Resistance disse...

Receio é que jogando o Hugo Almeida, grande mas não tão combativo quanto isso, estejamos a perder uma unidade efectiva no ataque. Jogar com um ponta-de-lança fixo, de área, num jogo como este, justifica-se se for capaz de decidir nas poucas vezes que a bola lhe chegue finalizável. Não sendo capaz de o fazer - ou pelo menos não sendo expectável que o seja - acho que até seria mais conveniente colocar uma peça capaz de baralhar as movimentações.

26 de junho de 2012 às 17:17
Peacetime Resistance disse...

Vai ser um jogo dificílimo para a nossa selecção. Acredito que possamos discutir olhos nos olhos com os espanhóis, mas ao mesmo tempo estou com a sensação de que o nosso percurso termina amanhã. Rizzolli e Proença entre os três favoritos a apitar a final é uma "graçola" de muito mau gosto... Ah pois, afinal não é piada nenhuma. O monsieur Platini consegue superar-se quando dificilmente se poderia conceber pior. Valha-lhe a coerência...

Espero estar enganado: Espanha 1-0 Portugal (Cesc)

26 de junho de 2012 às 17:24
Anónimo disse...

A chave para a nossa vitória está no Veloso,Meireles e Moutinho.
Convém que o Nani e Ronaldo desçam ligeiramente e ataquem como nunca :)

Vai ser o nosso jogo!! Ao contrário de 2010, agora temos no banco alguém corajoso e que quer vencer

26 de junho de 2012 às 19:30
Anónimo disse...

Estou completamente de acordo com a opinião expressa, também me parece que se fizermos uma pressão alta e forte a meio campo podemos tentar manietar o forte meio campo de Espanha que é o cérebro da equipa, ao contrário da defesa que pode ser a nossa chave para a vitória. A dificuldade vai ser conseguir fazê-lo durante grande parte do jogo, porque não haja dúvidas que vamos ter pouca bola. Agora, quando a tivermos, o nosso meio campo deve ter o discernimento necessário para nas transições rápidas que nos surgirem, alimentarem com eficácia as nossas endiabradas setas(oxalá em dia sim), Cristiano e Nani.
Em relação à conjectura sobre o avançado escolhido pelo mister não penso que surja outro avançado na nossa frente de ataque que não o Hugo Almeida, até porque o Paulo Bento é homem de ideias fixas.
Com um pouco de sorte à mistura temos as nossas possibilidades, claro que a sorte costuma dar muito trabalho....
FORÇA PORTUGAL.....

26 de junho de 2012 às 23:17
João Fachana disse...

Tenho um feeling de que iremos a penaltis...

26 de junho de 2012 às 23:22
Anónimo disse...

Iremos jogar contra mais que 11. Árbitro português e italiano, como já foi dito, estão na calha para apitar a final. O árbitro turco "tentou" eliminar o Chelsea, em abono do Barcelona, e tem um tónico favorável para a Espanha. Outra curiosidade é o árbitro que irá apitar o Alemanha-Itália, que foi o mesmo que nos apitou contra os alemães e bem se viu a dualidade de critérios.
Posto isto, penso serem fatores que não passam ao lado da nossa seleção e apenas serve para motivar. Sempre que vamos como claros favoritos ou a dizerem que somos favorecidos por alguma coisa externa, o resultado nunca é favorável.

Hoje é o nosso dia. PORTUGAL!!

27 de junho de 2012 às 09:53
Pedro Santiago disse...

Então ganharemos a mais do que 11! É, de facto, uma palhaçada esta história das arbitragens... É que agora, mesmo que os árbitros que vão hoje e amanhã vão com toda a boa fé e mais alguma, se cometerem um erro em prejuízo de Portugal ou Itália, cai-lhes o mundo em cima (e bem)!

27 de junho de 2012 às 13:46
Daniel Fernandes disse...

Isso dos árbitros têm um culpado com 2 nomes: Ladrão Platini.

Na Champions também ele queria um Real Madrid vs Barcelona...era a final mais rentável (€€) para a UEFA, tal como a final Espanha vs Alemanha.

Na nossa história, em várias batalhas, eramos tão poucos contra tantos e sempre fomos vitoriosos!

27 de junho de 2012 às 15:52

Enviar um comentário